O enfermeiro acredita na capacidade de superação dos indivíduos frente as desavenças da vida, mesmo porque, existem evidências científicas que mostram a contribuição da saúde para a qualidade de vida das populações.

20
Jul 09

 Enf. Jorge Franco

 

Uma pequena experiência de saúde baseada em uma realidade observada…

                                                                                                                                               

O Bairro Quinta da Fonte está situado na freguesia da Apelação Conselho de Loures.

Em meados de 1996, após a criação do Plano Especial de Realojamento, muitas pessoas que residiam nos chamados “bairros de lata” na área de Lisboa e arredores foram alojadas no local. Dentre os beneficiados pelo processo estão os imigrantes de minoria étnica, provenientes principalmente de Cabo Verde, Guiné-Bissau, Angola, Timor além da população cigana.

 

O Bairro é visto por muitos como de difícil acesso a cidade de Lisboa. Muitas pessoas reclamam do isolamento, o que gera sentimentos de diferenciação e exclusão. Existem relatos de que os próprios moradores que residem na parte mais baixa da freguesia (zona antiga) foram contrários ao realojamento dessas pessoas. A própria Divisão Municipal da Habitação da Câmara Municipal de Loures concluiu que “ (…) a concepção de modelos residenciais para acolhimento das populações proporcionando-lhes condições de higiene, conforto e privacidade, não resultam na inversão dessa condição de pobreza. Por outras palavras, essas comunidades não ganharam qualquer espaço na escala social ascendente, mantendo-se descriminadas e com baixo status” (1).

 

Ao abordar os moradores verificasse que são pessoas carentes de atenção e compreensão. Muitos reclamam que estão longe de tudo e de todos e que ninguém se preocupa com essa situação. Acham que estão em desvantagem com relação ao resto da freguesia, visto a fragilidade da rede de transportes e a falta de equipamentos e serviços.   

 

No bairro nota-se certa debilidade financeira que é característica do diminuto poder de consumo da população, até porque, muitas pessoas encontram-se actualmente em situação de desemprego. Se percorrermos o bairro observamos diversas lojas fechadas e outras até mesmo abandonadas, lixo largado em locais inapropriados, ruas sujas, entre outros problemas, o que mostra o pouco interesse de alguns e dos próprios pelo local. 

 

A inexistência de espaços e equipamentos suficientes destinados aos jovens é outra questão. Existe um número considerado de jovens que por falta de ocupação e/ou actividades desportivas e culturais ficam praticamente o dia inteiro nas ruas o que acaba gerando sensação de insegurança para os menos habituados.

 

A saúde como sempre é afectada por essas situações visto poder ser interpretada pelo reflexo que a pessoa tem de si frente ao ambiente físico e social que a envolve, mesmo porque, saúde e ambiente são inseparáveis.

 

Segundo a OMS na Carta de Ottawa (2) “Não se pode isolar a saúde de outros interesses. Os elos indissolúveis entre a população e o seu meio constituem a base para uma abordagem socio-ecológica da saúde”.

 

A Ordem dos Enfermeiros coloca que “o ambiente no qual as pessoas vivem e se desenvolvem, é constituído por elementos: humanos, físicos, políticos, económicos, culturais e organizacionais, que condicionam e influenciam os estilos de vida e que se repercutem no conceito de saúde. Na prática dos cuidados os enfermeiros necessitam focalizar a sua intervenção na complexa interdependência Pessoa/Ambiente” (3).

 

Atentando ao que foi referido podemos dizer que não é só de um “teto” que as pessoas necessitam. É preciso que se observe as características da população e que se associe a habitação propiciada serviços públicos de qualidade, emprego, mobilidade, espaços verdes e de laser, escolas, oportunidades/actividades de interesse aos jovens para que ocupem seus tempos livres, comércio dirigido as necessidades, entre outras.

 

É importante que se crie um espaço físico e social verdadeiramente harmonioso e sustentável capaz de promover a interacção do indivíduo ao meio fazendo com que as pessoas se orgulhem e cuidem do lugar onde vivem.          

 

A Conferência de Sundsvall (4) identificou muitas formas e exemplos de criar ambientes favoráveis que podem ser usados por quem estabelece as políticas e toma as decisões, assim como, pelos activistas comunitários nas áreas da saúde e do ambiente. A conferência reconhece que todos têm um papel na criação de ambientes favoráveis à saúde. Chama atenção a políticos e responsáveis por tomadas de decisão em todos os sectores relevantes e a todos os níveis. Defensores e activistas da saúde, ambiente e justiça social deverão formar uma aliança alargada, visando o objectivo comum que é Saúde para Todos.

 

Sabemos que todos nós vivemos realidades e oportunidades diferentes. Porém, devemos estar atentos aos mais desprotegidos, praticando a inclusão e repudiando a todo o custo a exclusão, mesmo porque, segundo AMADO (5) a exclusão social “ (…) pode vir a implicar privação, falta de recursos ou até mesmo ausência de cidadania”

.

 

BIBLIOGRAFIA

 

1 - Comissão Social Inter-freguesias de Camarate, Prior Velho e Sacavém - Diagnóstico Social das Freguesias de Camarate, Pior Velho, Sacavém. Setembro de 2005. Disponível: http://www.cm-loures.pt/RedeSocial/Diagn%C3%B3stico%20Social%20CSIFCPS.pdf.

 

2 - 7- Organização Pan-americana de Saúde – Carta de Ottawa. Primeira Conferência Internacional Sobre Promoção da Saúde. Ottawa, Novembro de 1986. OPS. Disponível: http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Ottawa.pdf

3 - 8- ORDEM DOS ENFERMEIROS - Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem: Enquadramento conceptual; Enunciados descritivos.

Disponível: http://www.ordemenfermeiros.pt/    

 

4 - OMS - 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde - Declaração de Sundsvall sobre Ambientes Favoráveis à Saúde. Sundsvall, Suécia, Junho de 199.

 

5 – AMADO, Rogério Roque – A exclusão social hoje. Instituto S. Tomás de Aquino. Cadernos do ISTA Nº 9.Disponível: http://www.triplov.com/ista/cadernos/cad_09/amaro.html 

Publicado por Enfermagem Aberta às 20:37

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


tags

todas as tags

Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
30
31


Comentários recentes
A MOVING PEOPLE PORTUGAL RECRUTA DE MOMENTO:- ENFE...
parabens fiquei emocionada com o video, continuem ...
O grande problema é que na prática grande parte do...
C1GriK <a href=\"http://ueuhhdbkvljj.com/...
otimo texto...
muito bom seu artigo, esta de parabens.
A pratica da prescricao por Enfermeiros ja existe ...
Sou um acérrimo defensor da prescrição farmacológi...
Olá Enfermagem Aberta!Gostei muito do artigo.Parab...
Olá Enfermagem Aberta!A Enfermagem do Trabalho é u...
tags

todas as tags

subscrever feeds
Mais sobre o autor
blogs SAPO