O enfermeiro acredita na capacidade de superação dos indivíduos frente as desavenças da vida, mesmo porque, existem evidências científicas que mostram a contribuição da saúde para a qualidade de vida das populações.

17
Jul 09

 

Enf. Jorge Franco

 

A educação para a saúde tradicional tem se preocupado em alterar estilos de vida considerados pouco saudáveis. Porém, tem utilizando estratégicas persuasivas e de transmissão de conhecimento sem ao menos se importar com os contextos e o ambiente onde as pessoas estão inseridas. Parte do princípio que tudo depende dos comportamentos do indivíduo e que este deve encaixar-se, de qualquer maneira, no ambiente em que vive. Este tipo de método educacional vem sendo muito criticado por pesquisadores da área por acreditarem que se baseia em conceitos estáticos e pré-estabelecidos, o que leva com que o indivíduo/grupos sejam verdadeiros “depósitos de informação” por terem que aceitar e seguir recomendações que os afasta da sua realidade. Por não conseguirem cumprir, na maioria das vezes, os conselhos transmitidos, acabam sendo culpabilizados pelos seus fracassos, o que leva a se sentirem incompetentes face ao modelo aplicado. Grenn citado por OLIVEIRA (45) acredita que para promover saúde, o ambiente deve oferecer condições físicas, económicas e sociais que proporcionem estilos de vida saudáveis e que garantam informações e serviços. O indivíduo deve ter no ambiente um suporte que auxilie nas decisões comportamentais em favor da manutenção de sua saúde.

 

A Organização Pan-americana de Saúde entende estilos de vida, como a maneira como as pessoas vivem e fazem suas escolhas que se relacionam com os seus contextos de vida, sua cultura, seus hábitos que podem ser adquiridos no ambiente familiar e social e com o conhecimento acumulado durante a vida (46).

 

É imperativo a necessidade de formação de indivíduos autónomos, livres, críticos, inovadores e criativos. Para que isso aconteça é importante que a saúde seja vista numa perspectiva individual, social e cultural, onde seja considerado, em qualquer abordagem de educação em saúde, a percepção própria do ideal de saúde de cada indivíduo, bem como, o ambiente onde este esta inserido, mesmo porque, um indivíduo jovem pode definir saúde e estilo de vida de forma diferente de um idoso, pois provavelmente terá aspirações e necessidades também diferentes. É fundamental capacitar as pessoas para que no seu dia-a-dia possam lidar com sua saúde e usufruir do ambiente que as cerca de forma positiva.

 

Hoje existem muitos estudos que condenam o modelo de educação para saúde tradicional e disponibilizam outros mais eficazes. Estes estudos evidenciam a influência de ambientes favoráveis a saúde, na promoção e desenvolvimento de estilos de vida saudáveis. Destacam a importância de acções que forneçam aos indivíduos condições para que possam optar, de forma livre e consciente, pelo melhor caminho para seguir suas vidas (opção informada). Baseiam-se no desenvolvimento de uma consciência crítica (capacidades de pensar) das pessoas, observando os recursos pessoais e sociais de cada um, de maneira com que se tornem sujeitos convictos e capazes de tomar decisões seguras e apropriadas para melhoria da saúde individual e colectiva. Já a Carta de Bangkok em 2005, identificava a necessidade de se intensificar acções para abordar os determinantes de saúde num mundo globalizado. Destacava a importância de políticas e parcerias para capacitação das comunidades (34). 

 

Segundo a OMS ambientes favoráveis à saúde refere-se “ (…) aos aspectos físicos e sociais que nos rodeiam. Isto é, os locais onde as pessoas residem, trabalham e passam os seus tempos livres. O que também envolve as questões estruturais que determinam o acesso aos recursos vitais e às oportunidades de capacitação (empowerment) ” (26).

 

STOKOLS (47) afirma que os ambientes físicos e sociais exercem influência sobre as percepções e os comportamentos dos indivíduos podendo afectar a saúde de diferentes maneiras. Coloca que “ entre o meio e o indivíduo desenvolvem-se interacções que provocam alterações mútuas, o meio transforma o indivíduo que, ao actuar no meio, também o transforma”.

OMS considera o ambiente “ (…) de superior importância para a saúde. Os dois são interdependentes e inseparáveis (26).

 

Logo, concluísse que a saúde pode ser considerada uma consequência da qualidade de adaptação do binómio “pessoa x ambiente” visto serem inseparáveis.

 

Segundo a Ordem dos Enfermeiros a pessoa “ é um ser social e agente intencional de comportamentos baseados nos valores, nas crenças e nos desejos da natureza individual, o que torna cada pessoa num ser único, com dignidade própria e direito a auto-determinar-se”. Considera ainda que a pessoa está em sintonia constante com o ambiente que a cerca onde “ modifica-o e sofre a influencia dele durante todo o processo de procura incessante do equilíbrio e da harmonia”. Diz que o ambiente é constituído por “elementos humanos, físicos, políticos, económicos, culturais e organizacionais, que condicionam e influenciam os estilos de vida e que se repercutem no conceito de saúde. Na prática dos cuidados, os enfermeiros necessitam de focalizar a sua intervenção na complexa interdependência pessoa / ambiente” (48).

 

A OMS em 1986, através da carta de Ottawa define saúde de forma bastante positiva quando refere “ (…) para atingir um estado de completo bem-estar físico, mental e social, o indivíduo ou grupo devem estar aptos a identificar e realizar as suas aspirações, a satisfazer as suas necessidades e a modificar ou adaptar-se ao meio. Assim, a saúde é entendida como um recurso para a vida e não como uma finalidade de vida; a saúde é um conceito positivo, que acentua os recursos sociais e pessoas, bem como as capacidades físicas” (25).

 

A criação de ambientes saudáveis parte da necessidade de se analisar criticamente o local em que se vive, seja ele o ambiente domiciliar, a escola, a comunidade, o local de trabalho e lazer, entre outros. É necessário que se atente que além dos aspectos físicos na criação de ambientes saudáveis, as condições sociais, económicas, políticas e emocionais são determinantes para criação de uma relação coerente entre o ser humano e o ambiente.

 

É de interesse destacar a Teoria Sistémico-Ecológica de Enfermagem criada por PAIM em 1974 que assenta no “homem sistémico e cibernético”. Visualiza o ambiente, no processo de cuidar, como "um factor a mais" da rede de multicausalidade (49).

 

O enfermeiro, como agente fomentador da saúde, deve incentivar a participação popular na criação de ambientes saudáveis. Como educador deve procurar trabalhar junto dos indivíduos, famílias, comunidades no sentido de proporcionar conhecimentos que visem a preservação ou eliminação de possíveis agravos ao ambiente. Como investigador pode contribuir na procura de metodologias que avaliem os riscos ambientais nocivos a saúde das populações. A detecção precoce de possíveis riscos e o fornecimento de informações/orientações a cerca das questões ambientais, além de promover a saúde do indivíduo, contribui para a saúde a nível global. Desta forma podemos dizer que a relação harmoniosa entre o homem e o ambiente propicia a construção de uma sociedade com consciência ecológica e que por isso mais afectuosa, solidária e democrática.

 

BIBLIOGRAFIA

 

1 - OLIVEIRA, Thaís Branquinho; (et.al.) - A Promoção de Saúde na Perspectiva social Ecológica. Artigo de Revisão. Universidade de Brasília – DF. 2008. Consulta 2009-05-26 Disponível:

http://www.unifor.br/notitia/file/2319.pdf  

 

2 - Organização Pan-americana de Saúde (OPS) – Editorial: Estilos de Vida. Consulta 2009-05-28 Disponível:

http://www.paho.org/spanish/dd/pub/TopicHome.asp?TP=&KW=reviewedPublicationsULS&Lang=S&Title=Estilos%20de%20vida

 

3 - World Health Organization. Bangkok charter for health promotion in the a globalized world. Geneve: WHO; 2005. Consulta 2009-04-25 Disponível: www.worldhealthorganization/html

 

4 - Organização Pan-Americana de Saúde (OPS) – Declaração de Adelaide. Segunda Conferência Internacional sobre Promoção da saúde. Adelaide, Austrália, Abril de 1988 OPS. Consulta 2009-04-27 Disponível:

http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Adelaide.pdf

 

 

5 – STOKOLS, D - Translating Social Ecological Theory into guidelines for community health promotion. American Journal of Health Promotion. 1996. Consult 2009-05-21 Disponível:

https://webfiles.uci.edu/dstokols/Pubs/Translating.PDF?uniq=-z4d46s.

 

6 - Ordem dos Enfermeiros – Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem. Dez. 2001. Consulta 2009-05-30 Disponível:

http://www.ordemenfermeiros.pt/images/contents/documents/98_Padroesqualidade.pdf .

 

7 – Organização Pan-Americana de Saúde (OPS) – Carta de Ottawa. Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. Ottawa, Novembro de 1986 OPS. Consulta 2009-04-28. Disponível:

http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Ottawa.pdf

 

8 - RIBEIRO, Maria Celeste Soares; (et.al.) - Reflexões sobre a participação da enfermagem nas questões ecológicas. Rev. Esc. enferm. USP vol.36 no.4 São Paulo Dez. 2002 ISSN 0080-6234

 


Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


tags

todas as tags

Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
30
31


Comentários recentes
A MOVING PEOPLE PORTUGAL RECRUTA DE MOMENTO:- ENFE...
parabens fiquei emocionada com o video, continuem ...
O grande problema é que na prática grande parte do...
C1GriK <a href=\"http://ueuhhdbkvljj.com/...
otimo texto...
muito bom seu artigo, esta de parabens.
A pratica da prescricao por Enfermeiros ja existe ...
Sou um acérrimo defensor da prescrição farmacológi...
Olá Enfermagem Aberta!Gostei muito do artigo.Parab...
Olá Enfermagem Aberta!A Enfermagem do Trabalho é u...
tags

todas as tags

subscrever feeds
Mais sobre o autor
blogs SAPO